segunda-feira, 15 de setembro de 2008

A (Des)Ordem Dos Dias

A (Des)Ordem Dos Dias


E então,
Talvez ele olhe pelas ruas cinzas
E perceba quanto mal ficou pra trás.


Que neste dia,
Trucidada sua alma grite,
Transborde agonia e reviva-se gloriosa,
Sorria e chore casos e acasos.


Só assim,
Podereis clamar a chuva,
Pra preencher esse vazio da minh'alma.


Assim, somente,
Tal caminho se fará destino
E destino, mero facto,
mera circunstância, mero porém.


2 comentários:

Utopia poética disse...

Muito bom, hein!!

Julienni Campos disse...

Às vezes eu me pego pensando de onde vem tantas palavras sortidas e no, entanto, tão entrelaçadas.
Lindo, lindo!!